quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O plebiscito

Meu novo artigo semanal:


Hoje em dia está claro que grande parte das tempestades de ódios e dissensos que vêm corroendo a sociedade brasileira provém de notícias viralizadas através da grande mídia nativa que por sua vez as retransmite da mídia global. Tanto uma como a outra encontram-se associadas aos interesses do capital financeiro, aos objetivos estratégicos de potências mundiais.

Mister Obama pousou suavemente em São Paulo, cobrou milhares de dólares a quem desejava assistir sua palestra e partiu olimpicamente, como se fosse um vestal do bom senso, sem uma crítica ao que disse, a favor ou contra. Mas ele foi responsável por muitas das guerras sangrentas que persistem até hoje após seus mandatos presidenciais, com Hillary Clinton responsável pela política exterior dos EUA.

Ninguém sabe pela grande mídia o que disse o ex-presidente norte-americano, se é que ele disse algo relevante. Se afirmou alguma coisa sobre as agruras de um planeta visivelmente atormentado, de que ele é em grande parte responsável, ninguém entendeu.

E como nada disse à mídia hegemônica, não viraliza nas redes sociais. Obama teve participação decisiva nos episódios que culminaram na queda de Dilma Rousseff. Mas Obama veio e foi embora sem admoestações de qualquer espécie, como se fosse um monge zen.

Já o plebiscito sobre a Catalunha, ao contrário de Obama, não para de ser notícia. Essa mídia global pauta a questão catalã como se fosse uma polêmica entre democracia versus nação. Desse jeito.

Como se a polêmica não implicasse nas razões Históricas da formação e vicissitudes do povo espanhol, nas manobras financeiras e os interesses da OTAN na Catalunha fossem desconhecidos por todos. Os espanhóis seriam apenas europeus.

Mas o que deseja a mídia hegemônica é propagar aos quatro ventos a tese do separatismo como uma nova agenda “pós-moderna” e assim abrir espaços no mundo e no Brasil na crise multilateral e profunda em que se encontra, para o pior dos sentimentos, desejos inconfessos de grupúsculos no País.

Gabriel Garcia Márquez disse que Simon Bolívar, o Libertador, em sua luta vitoriosa contra o colonialismo na América espanhola, frente à torpeza de alguns de seus liderados, acabou sem uma pátria pela qual morrer. Afora os desterrados, não existe democracia ou democratas sem uma pátria para exercê-la, assim, no abstrato.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

O futuro

Meu novo artigo semanal:


O mais danoso dos males com a Nova Ordem global, o Mercado financeiro, que capturou de forma hegemônica múltiplas organizações internacionais, tem sido a ditadura do pensamento único que se expressa através de conceitos do chamado “politicamente correto”.

O exercício desse poder, com uma mão de ferro, é extremamente perigoso porque invisível, não tem sede nem é eleito pelo voto de nenhum cidadão do planeta e transformou-se em um tipo de autoritarismo sem precedentes na História contemporânea. Seria o sonho do Reich dos mil anos que Hitler pensou mas não conseguiu executar em decorrência da tenaz resistência dos povos durante a 2a Guerra Mundial.

Tal projeto exerce-se via grande mídia que impõe diuturnamente uma profusão de conceitos e versões sobre os fenômenos políticos e sociais coadunados à agenda do Mercado e seus interesses de rapina.

O objetivo é a ruptura das identidades nacionais, a criminalização das formas de enfrentamento ao rentismo canibalesco, a divisão das sociedades em grupos que competem uns contra os outros, a dissociação do bem comum que caracteriza o sentimento de pertencimento e identidade a uma comunidade nacional.

Instalou-se o individualismo mais pragmático de grupos ou subgrupos contra os demais segmentos sociais que não expressam os seus próprios interesses corporativos, constituindo-se “bolhas” de tribos atomizadas desprovidas de valores mais avançados de uma comunidade.

A desconstrução dos instrumentos constitutivos do Estado nação tornou-se uma prática corriqueira visando quebrar as formas que a sociedade entende como referência para a sua representatividade, criminalizando-as, visando torná-las abomináveis aos olhos da população.

A crise estrutural brasileira é parte desse intuito macabro, enquanto o patrimônio nacional, estatal e financeiro, é dilapidado brutalmente.

Só a reconstrução das estruturas republicanas sob novas bases podem apresentar outro rumo ao País e à própria democracia, desfigurada, faz um bom tempo, para além da ópera bufa do governo Temer.

O Brasil necessita urgentemente de novos caminhos que só podem surgir através de um tipo de estadismo e um projeto de nação que dê protagonismo e sentido fundamentais a um grande povo que tem todas as condições de cumprir o seu destino de sociedade original, solidária e soberana.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Verdades

Meu novo artigo semanal:


O comediante norte-americano Groucho Marx (1890-1977) celebrizou-se, além de suas atuações no cinema, por suas frases de efeito que contrariavam o óbvio, como por exemplo: “você vai acreditar em mim ou no que os seus olhos veem ?”.

Hoje em dia, na ausência de caminhos que ajudem a aglutinar os anseios e contribuam na organização de projetos concretos às grandes maiorias sociais, que estão submetidas a intenso bombardeio ideológico-midiático através da grande mídia global, associada ao capital financeiro, à governança mundial, aumentou a relativização na interpretação dos fenômenos sociológicos, políticos, históricos, culturais etc.

Ou seja, o que é real, efetivo e concreto virou algo condicionado ao que lhe interessa, ou ao seu grupo de pertencimento, sua corporação etc. Assim, tudo é relativo. A essa espantosa regressão científica chamam, entre outros apelidos, como a pós-verdade.

É evidente que em determinados campos da ciência essa ideia simplesmente não funciona, porque há a exigência da comprovação, na realização do objeto, tal como ele é proposto em teoria.

Porque no novo milênio, com a revolução tecnológica digital, a integração contínua das pessoas através dos celulares avançados, constituiu-se incrível hegemonia da informação midiática, que é disseminada em tempo real e imediatamente viralizada em palavras, sons e imagens.

Daí a frase “você vai acreditar em mim ou no que os seus olhos veem ?” foi invertida para: “você deve acreditar no que as mídias sociais divulgam, pelo menos nas próximas horas, até que novas outras verdades possam ser anunciadas”.

Nesse contexto é que foi possível a promoção das chamadas “Primaveras Árabes” que se espraiam pelo mundo e, na América Latina, destacadamente no Brasil. A essa nova forma de agressão aos povos chamam de Guerra de Quarta Geração.

O que o capital financeiro, a governança global, as grandes potências se propõem no Brasil não é a radicalização da democracia, ou a democratização da informação, mas a ditadura na forma de um pensamento único, a fragmentação do tecido social, a apropriação das riquezas financeiras e naturais do País, fraturar o espírito em comum dos cidadãos.

Por isso é vital a defesa da nação ameaçada, o fortalecimento da união do povo brasileiro, da democracia, frente a tremendos desafios Históricos.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A encruzilhada

Meu novo artigo semanal:


O País vive uma encruzilhada Histórica que não surgiu de repente e muito menos caiu do céu como uma praga dos deuses contra uma nação continental, herdeira de um processo civilizatório original, próprio ao nosso itinerário singular e riquíssimo.

A partir do século XXI a globalização financeira intensificou uma ofensiva contra os Estados, sim, porque grande parte das nações do então chamado terceiro mundo, mesmo que tenham alcançado a independência formal, não conquistaram a soberania econômica, política etc.

O processo da globalização financeira dispõe, além das guerras de rapina em várias regiões do planeta, de instrumentos tão eficazes como o uso das armas. Trata-se da guerra de ideias via complexos midiáticos que atingem o conjunto das sociedades como se fossem potentes artefatos que visam pulverizar as identidades e a vontade dos povos.

O Brasil tem sido alvo qualificado por ser uma nação continental consolidada, uma das cinco maiores do mundo, com riquezas estratégicas e possuir papel geopolítico global incontornável, a não ser que a sociedade seja fragmentada, abatida em sua identidade, pilar central da nacionalidade.

O processo da quebra do parque industrial brasileiro já vem de décadas, as pressões contra os investimentos em ciência e tecnologia são tremendas, a crise na educação é retrato da falta de qualquer projeto de longo curso com a força de trabalho e a ausência de um plano estratégico de desenvolvimento do País.

O que o capital rentista e a governança mundial que a ele serve buscam é a recolonização física do País e a mental da sociedade através de uma agenda global que abdica de pensar e construir um pensamento que aglutine os brasileiros em torno de uma perspectiva de progresso e independência efetivos.

A gravíssima crise que sacode as instituições republicanas, alicerces da nação, é resultante de todo esse colonialismo econômico, dependência mental a uma agenda social do ódio, de todos contra qualquer um e de qualquer um contra todos, dirigida pela grande mídia, ao sabor dos interesses estratégicos de nações contrárias ao protagonismo do Brasil.

O País necessita de uma política maior de Estadismo democrático, que recupere o equilíbrio perdido, de novos rumos à altura do seu potencial geopolítico, das justas aspirações da sociedade brasileira.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Alagoas 200 anos

Meu novo artigo semanal:


A comemoração do bicentenário da independência de Alagoas é de grande importância em um Estado da federação que, apesar de penúltimo em dimensões físicas, possui marcante contribuição cultural, artística, política ao País.

Em seu itinerário mostrou-se capaz de afirmar-se na permanência das tradições, aliada às renovações, apesar das diferenças econômicas e sociais abissais, herdadas ao longo dos tempos.

E que continuam a exigir desafios de superações por uma economia mais desenvolvida, sustentável, diversificada, junto às vicissitudes de crescimento econômico da região nordestina em relação ao Sul, Sudeste do País, além da atual recessão que atinge a nação, consequência de uma política econômica subordinada aos ditames do Mercado financeiro.

Alagoas sempre caracterizou-se pela firmeza na defesa da unidade nacional. É esse o seu maior legado ao longo da História do Brasil, marca de protagonista em tempos decisivos da nossa pátria.

A contribuição de Alagoas no âmbito nacional é desproporcional à sua dimensão territorial e continua causando em áreas intelectuais, acadêmicas, visões maniqueístas numa interpretação vulgar da História brasileira.

Além de análises distorcidas da sinuosa formação, consolidação de um País que mantém, apesar de vários conflitos separatistas, das tentativas em desconstruí-lo política, social, fisicamente, a inteireza continental, o protagonismo geopolítico global. Como o atual governo Temer, subproduto primário do Mercado financeiro, messianismos corporativos, interesses geopolíticos internacionais escancarados.

Alagoas legou ao Brasil Floriano Peixoto, consolidador da República, personalidades públicas, ministros, intelectuais militantes como Otávio Brandão, músicos populares, eruditos como Hekel Tavares, grandes mulheres como Nise da Silveira, poetas como Jorge de Lima, Graciliano Ramos genial escritor regional-universal, marca de sobriedade, aversão a bairrismos e rigor realista que definiu a alma do alagoano, o nordestino. E tantos mais.

A comemoração pelo governo do Estado dos 200 anos de Alagoas, em uma época que nega o contínuo Histórico às novas gerações é iniciativa louvável, com jovens artistas, música clássica, grupos de tradições populares, debates etc. Como disse Tolstoi, se queres ser universal, começa a pintar a tua aldeia.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Valor inestimável

Meu novo artigo semanal:


No 7 de setembro, a comemoração da independência do Brasil reveste-se de um valor inestimável. Só quem continua a lutar pela libertação da sua pátria, em algumas partes do mundo, sabe o significado de se ter a sua terra livre da escravidão colonial ou neocolonial.

Na hegemonia do Mercado financeiro rentista, existe uma intensa tentativa de se constituir entre as novas gerações um desdém, quando não aversão, ao espírito de pertencimento a um povo, uma nação livre e soberana.

E, em seu lugar, a falsa ideia de que todos somos cidadãos globais, que essa ideia de pátria, território, identidade cultural é coisa ultrapassada.

O bombardeio da grande mídia hegemônica, associada ao capital financeiro especulativo, à sua governança mundial, busca desconstruir o sentimento nacional entre a população, anular o espírito comum de brasileiros.

Na verdade, a única globalização é a do Mercado rentista que avança sobre as riquezas dos povos, seus ativos financeiros, indústrias, estatais estratégicas, a própria integridade territorial.

Os patrimônios culturais inestimáveis das nações, como no Brasil, são tratados com absoluto desdém, quando não combatidos agressivamente para repor em seu lugar uma ideologia desse próprio Mercado, pasteurizando gostos, consumo, conceitos, movimentos, todos difundidos através das mídias hegemônicas que fazem parte dos interesses e projetos da globalização financeira, na maior ofensiva de alienação coletiva em todos os tempos.

Parte da intelectualidade, inclusive acadêmica, encantou-se, de uma forma ou de outra, pelos desígnios do Mercado e sua ideologia, enquanto outra falsa “intelectualidade” é produzida nos laboratórios dos centros “globais” e vendida como referências politicamente corretas dos tempos contemporâneos, assimilada de forma absolutamente acrítica.

Confundem propositalmente a importância da cultura universal, da qual devemos incorporar todas suas contribuições inestimáveis, com a massificação mercantilizada, colonizada das sociedades, de forma criminosa.

José Bonifácio, arquiteto e patriarca da independência do Brasil, gênio de sua época, sempre buscou construir uma espécie de cimento que desse sentido à reunião e um propósito coletivo aos brasileiros. Hoje, mais que nunca, essa luta continua na ordem do dia como resistência inadiável.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

A reserva mineral

Meu novo artigo semanal:


A liberação pelo governo Michel Temer de uma reserva mineral na Amazônia, entre os Estados do Pará e Amapá, Reserva Nacional do Cobre e Associados (RENCA) que tem as dimensões do estado do Espírito Santo, transformou-se em uma polêmica internacional.

Como todas as iniciativas desse governo estão vinculadas aos interesses do Mercado, contrárias à soberania nacional, ao patrimônio estatal estratégico, com abate das garantias trabalhistas históricas, esse decreto, provisoriamente sustado pela justiça federal, também merece o contundente repúdio do povo brasileiro.

Porque o que está em curso é mais um dos grandes negócios de lesa pátria que já viraram banais na gestão Temer. Ao lado desse clamor contra a liberação para exploração da reserva RENCA existem outras questões seríssimas, porque trata-se de uma área riquíssima em outros minerais além do cobre, ouro etc.

Existe a imperiosa necessidade da preservação de todo um ecossistema, incluindo as reservas indígenas na região. Porém, ao lado da polêmica internacional e nacional há igualmente os costumeiros movimentos de certas ONGs globais, associadas aos objetivos estratégicos do Mercado financeiro e mais especificamente às políticas para a Amazônia brasileira por grandes potências mundiais.

Várias ONGs estão a serviço de grupos financeiros, determinadas nações como a Grã-Bretanha e outros Países, difundem uma espécie de fundamentalismo ambiental sectário, atraem os incautos, mas pretendem a internacionalização da Amazônia brasileira, suas riquezas estratégicas que incluem vários minerais nobilíssimos e o domínio da maior reserva aquífera do planeta.

Para essas ONGS internacionais e filiais nativas não há a palavra soberania nacional, a combinação científica e sustentável do ecossistema com a exploração criteriosa dos incalculáveis recursos minerais da região em prol dos interesses do País, da sociedade brasileira.

É falsa a ideia de que a Amazônia é um santuário global intocável. Esconde objetivos geomilitares expansionistas de grandes potências, vide documentos públicos conhecidos, tanto como não há preocupação estratégica com a Defesa Nacional da região. É o caso do governo antinacional, antissocial de Michel Temer. Assim, na defesa da Amazônia o que está em jogo é a sobrevivência do Brasil como nação soberana.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Barbárie

Meu novo artigo semanal:


O anúncio pelo governo Michel Temer de privatizar a Eletrobrás e a Casa da Moeda demonstra, mais uma vez, o que todos já sabem: a razão da sua existência é a liquidação do patrimônio nacional e dos ativos financeiros do Estado brasileiro.

Tudo o mais que sucede no País encontra-se, de uma forma ou de outra, subordinado a esse assalto do Mercado financeiro, do rentismo parasitário e predador, a esse objetivo de lesa pátria criminoso, que está acontecendo, a olhos vistos e à luz do dia, perante a sociedade brasileira.

Trata-se na verdade de uma nova etapa da ofensiva neoliberal sobre as riquezas nacionais porém, sob condições mais favoráveis ao capital financeiro, às forças da globalização rentista, em relação à primeira onda privatista na década de noventa passada, sob a batuta dos governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Tal orientação está associada à maior campanha de criminalização da política, sob a batuta de corporações, identificadas intelectualmente, doutrinariamente, com as estratégias do Mercado global, da Governança Mundial, através de intensa cooptação intelectual, e de inteligência, em escolas de Economia e Direito, nas universidades norte-americanas.

Para tanto, instalou-se no Brasil a mais agressiva campanha de desconstrução da sociedade, jamais vista antes, com o objetivo de fracioná-la em grupos opostos que se digladiam uns contra os outros.

Instituindo-se em vários segmentos médios a intransigência, intolerância, a intimidação, o ódio generalizado de todos contra qualquer um e de qualquer um contra todos, enquanto o Brasil real, aquele citado por Machado de Assis, de centenas de milhões de habitantes, a esmagadora maioria da população, vive uma realidade social gravemente doentia.

A grande mídia hegemônica, associada ao Mercado financeiro, onde atua desenvolto o megaespeculador George Soros e sua Open Society, é responsável pela promoção das duas agendas: a liquidação do nosso patrimônio e a que mantém nichos da sociedade fraturada em um falso cosmopolitismo onde as relações de povo, identidade, cultura, objetivos comuns são negadas.

Não há democracia, ou luta pela justiça social, se não existe um sentido de pertencimento nacional, com passado, presente e um futuro para nos identificarmos como povo, nação democrática, livre, soberana.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Sociedade em chamas

Meu novo artigo semanal:


A globalização financeira vem promovendo desde o final da década de oitenta um tipo de hegemonia mundial e de sociedade que já mostra a olhos vistos uma furibunda decadência, quer seja no âmbito das relações internacionais, quer nas estruturas sociais, erigidas nos mais diversos Países em todo o planeta.

Através da captura de várias organizações internacionais, com a associação da grande mídia hegemonizada pelo discurso político, econômico e cultural, com o predomínio das estratégias do capital rentista, armou-se uma espécie de ditadura do pensamento único onipresente, que vai desde noções pseudocientíficas sobre fenômenos naturais, à uniformização global das estruturas sociais que permeiam a evolução do povos, das nações.

Essa ideologia dominante, a serviço de uma governança mundial da nova etapa do rentismo predador, forma o que atualmente costumam proclamar a sociedade global pós-moderna, onde reinam os enunciados do politicamente correto, cuja finalidade precípua é a desconstrução das identidades nacionais ou regionais, no afã de sentenciar como marginal qualquer forma de resistência a esses conceitos.

De tal maneira é o cerceamento à luta dos povos e nações na batalha pela afirmação de seus valores do passado, presente, a confiança no futuro, que tentam imputar aos que propugnam pela solidariedade à nação como portadores de ideias condenáveis.

O historiador britânico Eric Hobsbawm em seu livro O Breve Século XX já alertava para o que chamou, ao final da década de noventa passada, como “a desconstrução do contínuo Histórico que ameaça as novas gerações do milênio que se inicia”.

O que assistimos são os sinais trágicos de um terremoto em um tipo de comunidade que só serve aos ditames do Mercado. Afirmou recentemente o ex-presidente FHC, gestor mor do neoliberalismo no Brasil, sobre as atuais insatisfações sociais que são generalizadas, “alguns segmentos se beneficiaram, mas a sociedade ainda paga um preço alto”. Assim é que o individualismo delirante virou mais que um altar, transformou-se em algo “sagrado”.

Mas em decorrência de tantos males visíveis vai ficando claro no Brasil que a única alternativa, a esse modelo dantesco, é a união das grandes maiorias em defesa da soberania nacional, dos direitos do povo, da democracia, violentamente agredidos.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Uma grave crise

Meu novo artigo semanal:


A situação da Venezuela possui vetores que alimentam uma crise que não mostra sinais de arrefecimento, em verdade tende a se agravar. De qualquer maneira é fundamental prevalecer o princípio indeclinável da autodeterminação e soberania das nações no cenário mundial.

No entanto essa máxima, que se encontra assinada pelas nações signatárias da Carta das Nações Unidas, não tem sido aplicada, muito menos nas primeiras décadas do século XXI.

Ao contrário, proliferam as intervenções, especialmente no Oriente Médio, cujos objetivos são geomilitares, e a guerra de rapina por riquezas naturais, como o petróleo, a principal matriz energética do planeta.

Independente de equívocos, voluntarismos, que possam estar sendo cometidos pelo governo da Venezuela, a campanha uníssona feita pela grande mídia global, associada ao Mercado, mostra que a ação para desestabilizar a Venezuela é escancarada.

Um País que é um dos grandes produtores mundiais de petróleo, membro da OPEP. E por esse motivo foi alvo de ações intervencionistas no século XX, com a soberania ameaçada, onde prepostos a serviço das grandes empresas petrolíferas quase sempre governaram essa nação sul-americana.

Hoje, além do petróleo, há uma nova realidade multipolar com a ascensão dos BRICS. Em consequência, surgem múltiplas reações sangrentas anglo-americanas em vários continentes.

A presença de grupos mascarados na Venezuela, que estrearam nas chamadas primaveras árabes, como também no Brasil, e se transformaram em uma espécie de franquia internacional louvada na grande mídia global, de facções incendiárias, depredadoras, pseudo-anarquistas, é sinal do que está em marcha contra esse País.

O Brasil, com 2.199 quilômetros de fronteiras com a Venezuela, abdicou, sob o governo Temer, da sua histórica liderança no hemisfério sul, avassalou a sua grande tradição diplomática ao Mercado, aos objetivos geopolíticos anglo-americanos.

A ofensiva do Mercado, dos EUA, abre um teatro para conflitos na região que até agora consegue viver distante dos cenários de grandes operações militares globais.

O recrudescimento da crise venezuelana não interessa aos povos latino-americanos. Cabe ao Brasil recuperar seu protagonismo de mediador, de potência regional solidária, como membro dos BRICS, na transição para uma nova ordem mundial.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

É o rentismo

Meu novo artigo semanal:


Parodiando o grande escritor inglês: há muita coisa de podre no reino do rentismo parasitário do Brasil. A começar pela incógnita dessa grande mídia global hegemônica, que possui tantos poderes acumulados em décadas e múltiplos instrumentos ilusionistas, que é capaz de insistir, com alguma possibilidade de convencimento a parcelas da população, que a noite na verdade é o dia ou vice versa.

Depois de “convencer” os incautos que o inútil Michel Temer seria a “salvação da pátria” esse mesmo polvo midiático, com mil tentáculos, resolveu apeá-lo do poder, por razões ainda desconhecidas dos míseros mortais cidadãos brasileiros.

Mas de uma coisa não há a menor dúvida, essa grande mídia hegemônica está intimamente associada aos interesses antinacionais do rentismo parasitário, os grandes beneficiários da crise econômica e institucional no País.

Na verdade, tal é o seu poder que é possível afirmar que no Brasil atual consagrou-se a tese do partido único dominante, tão temida e contra ela vociferada como exemplo maléfico em outros Países.

O capital financeiro especulativo e essa grande mídia global hegemônica foram introduzindo, já há alguns anos, uma espécie de presidencialismo-parlamentarista de ocasião. Tendo como força definidora, como um falso poder moderador, eles próprios, casta superior dos mandarins tupiniquins, que tudo podem e manipulam.

O alvo tem sido a soberania nacional, as riquezas estratégicas brasileiras, abocanhar os ativos financeiros da nação, que bem ou mal, ainda é a sétima economia mundial.

Dessa forma, o Brasil tem sido conduzido a tempestades de ódios difusos, premeditadamente dividido, para nele reinar o rentismo, essa mídia global, igualmente nocivos.

Não é algo inédito, na França, de grandes tradições republicanas, foi eleito um desconhecido afilhado dos banqueiros Rothschild, deram-lhe um partido novinho em folha. Sim porque instituíram que a chave é o “novo”. Não importa se esse novo é a desgraça da nação e do povo.

Nas novas condições de uma governança global sob o comando do capital rentista e da grande mídia associada, as relações institucionais vigentes encontram-se atordoadas. Só a mais ampla união e a luta em torno da nação e do povo brasileiro pode encontrar o rumo da soberania, do desenvolvimento, das mudanças sociais impostergáveis.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O Brasil e o excepcionalismo

Meu novo artigo semanal:


A concepção do excepcionalismo norte-americano como sustentação da superioridade do indivíduo e da civilização anglo-saxônica ao que tudo indica parece estar perdendo a sua liderança nesse mundo multipolar que avança a passos rápidos nas primeiras décadas do século XXI.

Até mesmo com a campanha ideológica, difundida através da grande mídia global, com uma diuturna agenda de promoção desses valores como se fossem o espelho de todas as sociedades no planeta, das subserviências acadêmicas que, aberta ou discretamente, reverenciam nos planos das ciências sociais todas essas teses artificialmente importadas, como se elas fossem paradigmas científicos a serem seguidos sem contestações.

Assim entronizaram também no Brasil a antropologia anglo-americana como modelo a ser seguido, sustentado desde a grande mídia a intelectuais, setores universitários, de tal forma que qualquer visão crítica aos seus modelos apriorísticos é transformada em forte campanha difamatória.

Isso, seja nas redes sociais, ou nos grandes veículos de comunicação do País que determinam o Brasil oficial, das instituições do Estado, das estruturas corporativas, que se encontram hoje em dia distantes do Brasil real, enfatizado por Machado de Assis, e que corresponde atualmente a, mais ou menos, 200 milhões de habitantes.

O País real acorda, almoça e janta a cultura ditada pelo excepcionalismo anglo-americano, apesar das milhares de resistências que estão a somar-se.

De tal forma que o “mundo” oficial descolou da nação real e, embora hegemônico e determinante, inclusive em função do poder do capital financeiro especulativo, navega em uma realidade paralela muito longe dos trópicos que habitamos.

Daí é que, ao invés da rica História do Brasil, a nossa real formação civilizacional, antropológica e perspectivas futuras, parece que nos impuseram um transplante mecânico das sociedades inglesa, estadunidense, como um vírus digital, ou tendo sofrido ataques de algum hacker.

No mundo multipolar, que vai se consolidando, o esforço pelo conhecimento científico e tecnológico, o desenvolvimento econômico, a justiça social ampla e profunda, a soberania, são inseparáveis da compreensão cultural de como somos, como nos fizemos, onde desejamos chegar como nação, abertos ao mundo, mas sem estereótipos.