segunda-feira, 15 de março de 2010

A questão do Senado

Meu artigo publicado na Gazeta de Alagoas, no Vermelho, na Tribuna do Sertão e no Santanaoxente:

Nas eleições de outubro próximo creio que quase ninguém tem mais dúvidas sobre a intenção do voto popular que será sufragado nas urnas, carregado de um nítido caráter plebiscitário.
No entanto, o que parece óbvio para a população em geral torna-se complicado às forças políticas e coalizões que se defrontarão nesse pleito que se revestirá como um embate de proporções históricas.
Porque às oposições não interessa essa dimensão sobre o julgamento da sociedade acerca de qual projeto deverá optar em 3 de outubro. Porque elas levam uma nítida desvantagem nesse quesito fundamental.
Em primeiro lugar a era neoliberal no Brasil encarnada pelos dois mandatos do presidente Fernando Henrique Cardoso ficou conhecida como desconstrutora das empresas estratégicas do Estado nacional através de privatizações maciças e de redução das conquistas sociais promulgadas na constituição de 1988, logo após a extinção da ditadura.
Nesse mesmo período de exaltação do Estado mínimo e endeusamento das virtudes do mercado como solução aos graves problemas da sociedade brasileira, as políticas públicas implementadas pelos governos FHC não só foram desastrosas como conduziram a economia nacional à estagnação geral.
Levando em consequência ao desemprego generalizado, à paralisia do crescimento da riqueza do País, ao endividamento externo, ao sucateamento do parque industrial nacional, à inanição do comércio e à crise da agricultura brasileira além da total ausência de obras fundamentais em infra-estrutura, básicas ao Brasil.
Esse é em resumo o legado dos dois mandatos do presidente Fernando Henrique Cardoso. Foi na verdade um período de ascensão de uma elite política, consagrada pela mídia como a era dos tucanos, e a fina flor dos financistas, em especial aquela aquartelada nos quarteirões da majestosa Avenida Paulista.
O Brasil mudou substancialmente em relação ao desenvolvimento, mas persistem algumas heranças de um Estado anêmico e impotente, resultante das orientações neoliberais. E é no Senado da República onde estão entrincheirados os quadros mais destacados das políticas minimalistas do Estado.
Por isso é onde haverá uma das lutas mais renhidas nas próximas eleições. Não é por acaso que a atual eleição ao Senado tem assumido na mídia uma magnitude só inferior à da campanha à presidência da República.

2 comentários:

  1. •Pró Alagoas
    14/03/2010 11h19

    Antes de mais nada é preciso fecharmos um pacto verdadeiramente PRÓ-ALAGOAS. Necessitamos retomar o crescimento economico e a liderança entre os estados nordestinos de nosso nível. Causa-nos inveja vermos a baila de industrias em Sergipe, além do diferenciado preço dos combustíveis, enquanto a nossa elite política esbanja carrões e fazendas no Maranhão, Pará, Goias e Minas entre outros. Vamos devolver ao povo o duodécimo em benefícios, como Casa a milhões de Sem-Teto, queremos Representação e Não Ostentação. Depois de anos de Ditadura e por último anos de Ditabranca, vamos devolver a todos nós "O Orgulho de Ser Alagoano".

    Paulo Petuba
    Maceió - AL

    ResponderExcluir
  2. Heloisa Lima de Carvalho17 de março de 2010 21:35

    Parabéns pelo artigo, é bastante esclarecedor e oportuno, precisamos ter consciência política para exercício da cidadania.

    um forte abraço

    Heloisa Lima

    ResponderExcluir