quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Sociedade em chamas

Meu novo artigo semanal:


A globalização financeira vem promovendo desde o final da década de oitenta um tipo de hegemonia mundial e de sociedade que já mostra a olhos vistos uma furibunda decadência, quer seja no âmbito das relações internacionais, quer nas estruturas sociais, erigidas nos mais diversos Países em todo o planeta.

Através da captura de várias organizações internacionais, com a associação da grande mídia hegemonizada pelo discurso político, econômico e cultural, com o predomínio das estratégias do capital rentista, armou-se uma espécie de ditadura do pensamento único onipresente, que vai desde noções pseudocientíficas sobre fenômenos naturais, à uniformização global das estruturas sociais que permeiam a evolução do povos, das nações.

Essa ideologia dominante, a serviço de uma governança mundial da nova etapa do rentismo predador, forma o que atualmente costumam proclamar a sociedade global pós-moderna, onde reinam os enunciados do politicamente correto, cuja finalidade precípua é a desconstrução das identidades nacionais ou regionais, no afã de sentenciar como marginal qualquer forma de resistência a esses conceitos.

De tal maneira é o cerceamento à luta dos povos e nações na batalha pela afirmação de seus valores do passado, presente, a confiança no futuro, que tentam imputar aos que propugnam pela solidariedade à nação como portadores de ideias condenáveis.

O historiador britânico Eric Hobsbawm em seu livro O Breve Século XX já alertava para o que chamou, ao final da década de noventa passada, como “a desconstrução do contínuo Histórico que ameaça as novas gerações do milênio que se inicia”.

O que assistimos são os sinais trágicos de um terremoto em um tipo de comunidade que só serve aos ditames do Mercado. Afirmou recentemente o ex-presidente FHC, gestor mor do neoliberalismo no Brasil, sobre as atuais insatisfações sociais que são generalizadas, “alguns segmentos se beneficiaram, mas a sociedade ainda paga um preço alto”. Assim é que o individualismo delirante virou mais que um altar, transformou-se em algo “sagrado”.

Mas em decorrência de tantos males visíveis vai ficando claro no Brasil que a única alternativa, a esse modelo dantesco, é a união das grandes maiorias em defesa da soberania nacional, dos direitos do povo, da democracia, violentamente agredidos.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Uma grave crise

Meu novo artigo semanal:


A situação da Venezuela possui vetores que alimentam uma crise que não mostra sinais de arrefecimento, em verdade tende a se agravar. De qualquer maneira é fundamental prevalecer o princípio indeclinável da autodeterminação e soberania das nações no cenário mundial.

No entanto essa máxima, que se encontra assinada pelas nações signatárias da Carta das Nações Unidas, não tem sido aplicada, muito menos nas primeiras décadas do século XXI.

Ao contrário, proliferam as intervenções, especialmente no Oriente Médio, cujos objetivos são geomilitares, e a guerra de rapina por riquezas naturais, como o petróleo, a principal matriz energética do planeta.

Independente de equívocos, voluntarismos, que possam estar sendo cometidos pelo governo da Venezuela, a campanha uníssona feita pela grande mídia global, associada ao Mercado, mostra que a ação para desestabilizar a Venezuela é escancarada.

Um País que é um dos grandes produtores mundiais de petróleo, membro da OPEP. E por esse motivo foi alvo de ações intervencionistas no século XX, com a soberania ameaçada, onde prepostos a serviço das grandes empresas petrolíferas quase sempre governaram essa nação sul-americana.

Hoje, além do petróleo, há uma nova realidade multipolar com a ascensão dos BRICS. Em consequência, surgem múltiplas reações sangrentas anglo-americanas em vários continentes.

A presença de grupos mascarados na Venezuela, que estrearam nas chamadas primaveras árabes, como também no Brasil, e se transformaram em uma espécie de franquia internacional louvada na grande mídia global, de facções incendiárias, depredadoras, pseudo-anarquistas, é sinal do que está em marcha contra esse País.

O Brasil, com 2.199 quilômetros de fronteiras com a Venezuela, abdicou, sob o governo Temer, da sua histórica liderança no hemisfério sul, avassalou a sua grande tradição diplomática ao Mercado, aos objetivos geopolíticos anglo-americanos.

A ofensiva do Mercado, dos EUA, abre um teatro para conflitos na região que até agora consegue viver distante dos cenários de grandes operações militares globais.

O recrudescimento da crise venezuelana não interessa aos povos latino-americanos. Cabe ao Brasil recuperar seu protagonismo de mediador, de potência regional solidária, como membro dos BRICS, na transição para uma nova ordem mundial.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

É o rentismo

Meu novo artigo semanal:


Parodiando o grande escritor inglês: há muita coisa de podre no reino do rentismo parasitário do Brasil. A começar pela incógnita dessa grande mídia global hegemônica, que possui tantos poderes acumulados em décadas e múltiplos instrumentos ilusionistas, que é capaz de insistir, com alguma possibilidade de convencimento a parcelas da população, que a noite na verdade é o dia ou vice versa.

Depois de “convencer” os incautos que o inútil Michel Temer seria a “salvação da pátria” esse mesmo polvo midiático, com mil tentáculos, resolveu apeá-lo do poder, por razões ainda desconhecidas dos míseros mortais cidadãos brasileiros.

Mas de uma coisa não há a menor dúvida, essa grande mídia hegemônica está intimamente associada aos interesses antinacionais do rentismo parasitário, os grandes beneficiários da crise econômica e institucional no País.

Na verdade, tal é o seu poder que é possível afirmar que no Brasil atual consagrou-se a tese do partido único dominante, tão temida e contra ela vociferada como exemplo maléfico em outros Países.

O capital financeiro especulativo e essa grande mídia global hegemônica foram introduzindo, já há alguns anos, uma espécie de presidencialismo-parlamentarista de ocasião. Tendo como força definidora, como um falso poder moderador, eles próprios, casta superior dos mandarins tupiniquins, que tudo podem e manipulam.

O alvo tem sido a soberania nacional, as riquezas estratégicas brasileiras, abocanhar os ativos financeiros da nação, que bem ou mal, ainda é a sétima economia mundial.

Dessa forma, o Brasil tem sido conduzido a tempestades de ódios difusos, premeditadamente dividido, para nele reinar o rentismo, essa mídia global, igualmente nocivos.

Não é algo inédito, na França, de grandes tradições republicanas, foi eleito um desconhecido afilhado dos banqueiros Rothschild, deram-lhe um partido novinho em folha. Sim porque instituíram que a chave é o “novo”. Não importa se esse novo é a desgraça da nação e do povo.

Nas novas condições de uma governança global sob o comando do capital rentista e da grande mídia associada, as relações institucionais vigentes encontram-se atordoadas. Só a mais ampla união e a luta em torno da nação e do povo brasileiro pode encontrar o rumo da soberania, do desenvolvimento, das mudanças sociais impostergáveis.